NOTÍCIAS

Acadêmicos de Direito assistem à audiência de instrução do Tribunal do Júri

03 de Setembro de 2020 10:47

 

Acadêmicos do 7º e 8º semestres do curso de Direito da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) participaram, pela primeira vez, de uma videoaudiência criminal da 1ª Vara do Tribunal do Júri, presidida pelo juiz Carlos Alberto Garcete de Almeida. Cerca de 60 alunos se conectaram ao Google Meet para acompanhar os trabalhos, ontem (2).

De acordo com a professora de Direito Processual Penal, Juliana Medina de Aragão, é costume levar os acadêmicos para acompanhar as sessões presencialmente, e agora, com o auxílio do juiz, oportunizou-se que os alunos pudessem acompanhar a videoconferência. Em razão da pandemia, todas as aulas e estudos da prática processual penal vinham sendo realizados com audiências antigas e gravadas. 

“Com a oportunidade criada pelo juiz, os estudantes puderam acompanhar em tempo real a prática tanto do magistrado como da promotoria e defesa, garantindo o andamento regular de todas as atividades obrigatórias do semestre”, destacou a docente. 

Levar o acadêmico para o Fórum, em uma prática processual real, no entender da professora, permite ao aluno fazer uma conexão entre a teoria e a prática, observando como se comportam os advogados em audiência, qual o papel do juiz, do Ministério Público, das testemunhas, além de verificar como deve ser tratado o réu. 

“Entendo que é possível aos alunos vislumbrarem vários aspectos do procedimento especial do Tribunal do Júri, dos crimes dolosos contra a vida, fazendo esta ponte entre a teoria e a prática processual penal, podendo enxergar o papel de cada sujeito processual penal. Tudo isso, permite uma formação mais completa”, finalizou.

Os acadêmicos acompanharam duas audiências agendadas para o início da tarde desta quarta-feira. Na primeira delas, acompanharam o depoimento de duas testemunhas de defesa e o interrogatório do réu e na segunda, os depoimentos das testemunhas comuns tanto à defesa quanto à acusação. Os processos tratam de ação penal por homicídio qualificado e feminicídio.

 

MAIS NOTÍCIAS