NOTÍCIAS

Artigo de docente e doutorando da UCDB é capa de revista internacional

28 de Outubro de 2022 07:14

O professor do Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), dr. Ludovico Migliolo e o doutorando Pedro Cardoso, publicaram o artigo ‘Evaluation of a Novel Synthetic Peptide Derived from Cytolytic Mycotoxin Candidalysin’ que saiu como capa da revista internacional Toxins da MDPI. A pesquisa é fruto do trabalho iniciado no Programa de Iniciação Científica (Pibic) durante a graduação e no mestrado.

“A área da pesquisa é sobre peptídeos antimicrobianos para o controle de micro-organismos patogênicos a humanos, sempre visando desenvolver novos fármacos que tenham potencial de virar um produto viável. Resumindo o trabalho que desenvolvemos foi que utilizamos uma toxina chamada candidalisina proveniente do fungo patogênico Candida albicans para desenvolver um peptídeo antimicrobiano multifuncional”, destaca o doutorando Pedro. 

Segundo o orientador da pesquisa, o professor dr. Ludovico, além do sucesso frente a bactérias, o resultado também demonstrou um efeito inicial anti-inflamatório. “Este efeito é muito importante para desenvolvimento de fármacos”, destacou o orientador da pesquisa, professor dr. Ludovico.

Pedro completa ainda dizendo que desenvolveram o peptídeo Ca-MAP1, que é uma versão reduzida da candidalisina, visando manter as características físico-químicas semelhantes a outros peptídeos antimicrobianos depositados em banco de dados. “Após o desenho racional do Ca-MAP1 in silico ele foi sintetizado e testado in vitro, foi demonstrado que o peptídeo apresenta atividades antibacteriana, anti-inflamatória e citotóxica frente células tumorais, os ensaios in vitro demonstram uma atividade biológica interessante. Estamos desenvolvendo a patente do Ca-MAP1”, reforçou o doutorando. 

O professor ressalta que Pedro continua com as pesquisas no doutorado em Biotecnologia da Católica. “Ele está aprofundando ainda mais os resultados destas moléculas para que no futuro venha a ser usada como uma alternativa de farmácias comerciais usadas atualmente, os quais vêm cada vez mais se tornando ineficientes, devido à capacidade das bactérias em tornar-se resistentes”, finalizou o professor.

 

MAIS NOTÍCIAS