NOTÍCIAS

Artigo do grupo Inovisão da UCDB é o mais citado no mundo na área da inteligência artificial aplicada à detecção de plantas daninhas

27 de Outubro de 2021 07:16

O artigo ‘Detecção de ervas daninhas em lavouras de soja usando convNets’ (Weed detection in soybean crops using convNets), do grupo Inovisão (Desenvolvimento Tecnológico e Inovação em Visão Computacional) da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), é o mais citado no mundo no que se refere a inteligência artificial na detecção de plantas daninhas na agricultura, conforme dados da plataforma de indexação de artigos científicos Scopus. Até o momento são 136 citações em publicações pelo mundo, espalhadas em 37 países, sendo os principais a China (40 citações), Estados Unidos (24), Índia (17), Brasil (13) e Austrália (12).

A pesquisa foi realizada em 2017 pela então doutoranda em Ciências Ambientais e Sustentabilidade Agropecuária da UCDB, Gercina Gonçalves da Silva, e pelo então mestrando em Computação da UFMS, Alessandro Ferreira, além da cooperação dos professores Marcelo Theophilo Folhes e Daniel Matte Freitas, sob a orientação do professor Dr. Hemerson Pistori. “É umA compensação pela realização da pesquisa. Nossos estudos não se limitaram a uma sala. Nós realmente fomos para o campo, participamos dos estágios da planta, coletamos imagens desde o plantio até a colheita para que pudéssemos observar os problemas e realizar os testes com o algoritmo”, destacou Gercina Gonçalves da Silva.

O artigo foi publicado na revista ‘Computers and Electronics in Agriculture’, uma das mais importantes do mundo na área de tecnologia para agricultura. Para o orientador, esse resultado reflete a qualidade do trabalho. “Significa principalmente que estamos conseguindo, além de produzir ciência de alta qualidade, formar novos cientistas ou profissionais com capacitação para aplicar o método científico no trabalho que o aluno escolher”, explica o orientador.

Ele destaca ainda que o trabalho foi pioneiro na área de pesquisa. “Isso é bem difícil de conseguir, pois são milhares de cientistas no mundo inteiro pesquisando sobre tudo o que você imaginar. Neste caso, fomos pioneiros na aplicação de inteligência artificial e drones para detecção de plantas daninhas”, completa o professor.

MAIS NOTÍCIAS