NOTÍCIAS

Com o uso de tecnologias, curso de Jornalismo mantém atividades práticas de modo remoto

27 de Maio de 2020 09:00

Diante da suspensão das aulas presenciais como medida de prevenção ao novo coronavírus, o curso de Jornalismo da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) criou mecanismos para que as atividades práticas continuassem a ser oferecidas de modo remoto. De acordo com a coordenadora da graduação, Inara Silva, cada professor criou uma estratégia para a disciplina que ministra e aderiu às tecnologias necessárias para que os acadêmicos pudessem executar a teoria ensinada.

“A essência do jornalismo é estar na rua, apurar as informações e manter contato com as pessoas, mas nesse momento de isolamento social isso não é possível. Então, as tecnologias vêm para nos ajudar. Os acadêmicos utilizam o computador e o celular e estão produzindo reportagens e conversando com as fontes por meio de aplicativos como Whatsapp e Skype, por exemplo. Depois que o texto está escrito, eu marco um horário para que eu possa revisar o material junto com eles por meio de videoconferência”, esclareceu Inara.

É desta maneira que os alunos do 5º semestre produzem mais uma edição do Jornal Laboratorial Em Foco, por meio da disciplina “Jornalismo Impresso”. O produto está na fase de finalização e reúne, principalmente, reportagens sobre a pandemia — umas das matérias fala sobre as alternativas encontradas pelos empreendedores para driblar a crise provocada pela Covid-19, já outra traz a história da cantora Delinha, que, pela primeira vez em 63 anos de carreira, fez um show pela internet por conta da necessidade de evitar aglomerações.

Quem entrevistou a dama do rasqueado de Mato Grosso do Sul foi a aluna Débora Ricalde. A acadêmica ficou impressionada com a possibilidade oferecida pelas tecnologias: “A internet é uma ferramenta que ajuda a aproximar as pessoas. Todo esse trabalho foi feito on-line, eu consegui entrevistar a Delinha e, por meio dos comentários que as pessoas faziam durante a apresentação dela na live, consegui um depoimento bem emocionante que deu um toque a mais para a minha matéria”, comentou Débora.

Além disso, acadêmicos do 5º semestre também aprendem a diagramar um jornal, ou seja, colocam em prática técnicas do design gráfico utilizadas para distribuir e organizar os elementos em uma página. O processo geralmente é feito em um software denominado Indesign, oferecido pela Universidade, mas como os alunos estão em casa, foi necessário aderir à uma nova tecnologia. “Estamos usando um site que permite fazer a diagramação online, chamado Flipsnack, pois alguns acadêmicos não tem o Indesign. Ele tem alguma limitação, mas o importante é que o aluno consegue colocar em prática a teoria que está sendo ensinada”, ressaltou a professora responsável pelas aulas, Maria Helena Benites.

Já por meio da disciplina “Fundamentos do audiovisual”, os acadêmicos do 5º semestre gravam um programa de rádio por meio do software Discord. “É um programa utilizado muito por quem joga vídeo game para conversar com os outros jogadores durante as partidas on-line e permite que a gente faça gravações em áudio. Passamos a usá-lo a partir da indicação dos próprios alunos e é bem simples: os grupos entram no canal desse aplicativo, eu acompanho a gravação deles, depois baixo esse arquivo e faço a edição do material”, esclareceu o professor Oswaldo Ribeiro que ministra as aulas. O mesmo método foi aderido para a produção de podcasts feitos por meio do projeto de extensão “Piloto” e também para a criação de conteúdo voltado para a “Rádio Em Foco”.

Contato com profissionais da área

Mais do que vivenciar a prática da profissão, o uso das novas tecnologias também tem permitido que os acadêmicos tenham mais contato com profissionais da área. Por meio da disciplina “Telejornalismo”, por exemplo, o professor Oswaldo, responsável por ministrar as aulas, promoveu videoconferências com egressos do curso. Marcos Rivany, repórter da TV MS Record (afiliada da Record TV em Mato Grosso do Sul), e Alysson Maruyama, repórter da TV Morena (afiliada da Rede Globo no Estado) foram os convidados para conversarem com os alunos sobre o dia a dia da profissão em meio à pandemia e o que mudou na hora de produzir conteúdo.

“Ter contato com quem está inserido no mercado de trabalho também é uma forma de aprender e essa experiência tem sido bastante positiva. O uso mais acentuado de algumas tecnologias, que já eram bastante comuns para o jornalista, tem trazido novas possibilidades e eu percebo um grande envolvimento dos alunos. Eles querem contribuir e levar a informação para as pessoas, então há uma troca, o professor ajuda o acadêmico, mas o acadêmico também tem contribuído com o nosso trabalho”, destacou Oswaldo.

Segundo a acadêmica do sétimo semestre Thais Libni, mesmo em meio ao cenário de pandemia, tem sido possível driblar as dificuldades e realizar aquilo que estava previsto para o semestre. “Eu estou tendo um ensino de extrema qualidade, a UCDB e os professores têm se colocado muito presentes para nos ajudar. Passamos por uma mudança e tivemos um curto tempo para nos organizarmos, mas encaro isso como uma nova experiência. Ver que a gente recebe esse apoio e não estamos sozinhos é incrível, então, para mim, a minha formação continua e vou ser uma profissional completa no fim do ano quando eu concluir a graduação”, ressaltou Thais.

MAIS NOTÍCIAS