NOTÍCIAS

Nota de pesar: Janina Rubi Falco e Nery Azambuja

29 de Novembro de 2021 11:02

 

A Universidade Católica Dom Bosco lamenta, com pesar, o falecimento da professora Janina Rubi Falco, ocorrido hoje pela manhã (29), e do ex-docente Nery Sá e Silva Azambuja, no último sábado (27).

Janina tinha 62 anos e era professora da UCDB desde 2003. Formada em Física, dava aulas nos cursos de Engenharia da Católica (Engenharia de Computação, Engenharia Elétrica, Engenharia Mecânica, Engenharia de Controle e Automação, Engenharia Civil, Engenharia Sanitária e Ambiental e Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas). Também lecionou na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul.

Nery Azambuja faleceu no sábado. Era formado em Direito pela Fucmt, atualmente desembargador do Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região (TRT-MS). Tinha 62 anos. Em 2016, por ocasião das comemorações dos 50 anos do curso de Direito da UCDB, o desembargador concedeu entrevista ao Jornal UCDB. Abaixo, alguns trechos da reportagem:

Dos tempos de estudante, Nery Azambuja destaca os júris simulados e participação na política estudantil como imporantes em sua formação. “Como professor, marcou muito ver as gerações crescerem e, principalmente, como as mulheres se destacaram. Quando eu comecei a dar aula eram poucas mulheres na sala — menos de 30% — e elas dificilmente pensavam em concurso. Hoje, representam a maioria das aprovadas”.

Fez Mestrado na PUC, com incentivo do Pe. José Marinoni, do desembargador  Claudionor Miguel Abes Duarte e dos professores José Manuel de Arruda Alvin e Teresa Celina de Arruda Alvin. A grande parceira de Nery foi a esposa por mais de 20 anos, Maria José Vilela Lima (in memoriam). Em sua carreira, ele foi Procurador Federal de Mato Grosso do Sul até tomar posse como desembargador do Trabalho.

Sobre o ensino do Direito em geral, destaca: “O ensino foi democratizado porque hoje as pessoas têm mais chance, acesso à universidade, aos cursos de ensino superior. O grande problema dessa democratização foi a qualidade que se perdeu. O que nós temos de fazer agora é corrigir a qualidade dos professores, incentivar que tenham dedicação exclusiva, melhorar a qualidade de ensino e, sobretudo, vigiar a grade curricular para que tenhamos um padrão que traga, na experiência, uma melhora dia após dia. Não será um bom aluno de Direito aquele que não teve uma boa leitura, que não teve uma boa formação nos ensinos fundamental e médio”.

 

MAIS NOTÍCIAS