NOTÍCIAS

Participação em plano nacional amplia capacidade de testagem na Capital

17 de Setembro de 2021 14:27

 

Até o fim do ano, Mato Grosso do Sul deve receber cerca de 350 mil testes de antígeno para coronavírus, dentro do Plano Nacional de Expansão da Testagem, lançado hoje em cinco cidades — uma delas Campo Grande. Na Capital, com a presença do prefeito Marquinhos Trad, dos secretários de Estado de Saúde, Geraldo Resende, e municipal, José Mauro Filho, e da secretária extraordinária de enfrentamento à Covid-19 do Ministério da Saúde, Rosana Leite de Melo, os testes vindos para o programa começaram a ser utilizados. O evento aconteceu no Campus II da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), onde a Secretaria Municipal de Saúde montou o Centro de Testagem Covid-19, desde agosto deste ano.

O Reitor da UCDB, Pe. José Marinoni, e o Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-graduação, Cristiano Marcelo Espínola Carvalho, estiveram na cerimônia. O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, participou de maneira remota, com transmissões a partir das cinco cidades escolhidas para testar o plano. A previsão é de que 60 milhões de testes sejam distribuídos em todo o País. “Todos lembram que no começo da pandemia era difícil realizar os testes, porque a infraestrutura não só do Brasil, mas do mundo todo não existia. Hoje, os nossos sistemas foram aprimorados com investimento do Ministério da Saúde para realizar testes. E a tecnologia evoluiu, agora nós temos os testes rápidos de antígenos que em 15 minutos nós dão resultados”, afirmou em seu pronunciamento.

Só nesta semana, o Ministério da Saúde envia 2,4 milhões de testes para todos os 5.570 municípios do país, dos 26 estados e Distrito Federal, para garantir a expansão do diagnóstico da Covid-19 em todo território nacional. Segundo as recomendações do plano, os testes devem ser aplicados para diagnosticar pessoas com e sem sintomas da Covid-19 e podem ser usados em locais de grande circulação. Em uma das estratégias, os estados e municípios serão orientados a fazerem pontos de triagem, onde as pessoas serão convidadas a fazer o teste rápido voluntariamente.

Assim, é possível identificar os casos mais rapidamente, promover o isolamento, rastreamento e testagem dos contatos, que também devem fazer quarentena. Essa estratégia de testagem também é usada para a busca ativa de pessoas que podem demorar para demonstrar qualquer sintoma da Covid-19, para evitar a disseminação da doença. Os testes de antígeno também devem ser usados na investigação de surtos locais da Covid-19, como escolas e lares de idosos, por exemplo.

Capital

Em Campo Grande, a testagem já vinha sendo feita no Centro de Testagem e nas unidades de saúde e isso não deve mudar, informou o secretário José Mauro.

O teste de antígeno é feito a partir de uma amostra coletada pelo swab nasal ou nasofaríngeo. O exame detecta a presença de uma proteína do coronavírus, para mostrar se a pessoa está infectada e em uma fase com maior risco de transmissão. O teste é mais prático, pois não necessita de um laboratório para ser processado, é de fácil manipulação e pode ficar em temperatura até 30 ºC.

Com o resultado em 15 minutos, o teste de antígeno tem um grau de confiança elevado, graças a uma tecnologia avançada, que foi se aprimorando desde o começo da pandemia. É importante esclarecer que os testes RT-PCR continuam sendo usados como padrão ouro no Sistema Único de Saúde (SUS), ou seja, são necessários para garantir o diagnóstico.

As pessoas que tiverem o resultado positivo para a Covid-19 são orientadas a seguirem os cuidados médicos, as medidas não farmacológicas como uso de máscaras, isolamento e procurar uma unidade de saúde. O plano recomenda ainda que seja feito o rastreamento e monitoramento dos seus contatos.

Para quem estiver com sintomas da Covid-19 e testar negativo, a recomendação é para que uma nova amostra seja coletada e enviada à um laboratório de referência, para realização do RT-PCR, para confirmar o diagnóstico.

 

Com informações do Ministério da Saúde

 

MAIS NOTÍCIAS