NOTÍCIAS

Por meio do modelo fishbowl, diálogo descontraído é promovido entre acadêmicos e profissionais

06 de Junho de 2019 15:00

No auditório da Biblioteca Pe. Félix Zavattaro, cinco cadeiras foram colocadas em frente ao espaço destinado à plateia e conforme os assuntos sugeridos pelos próprios participantes eram sorteados, quem gostaria de opinar ou contribuir com alguma informação poderia assumir um dos lugares. Foi neste formato, chamado fishbowl, que o III Encontro Tecnológico realizado pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) permitiu, na noite desta quarta-feira (5), a troca de experiências entre acadêmicos e profissionais que atuam na área de desenvolvimento de softwares e tecnologia.

Ao todo, sete especialistas estiveram presentes para compartilhar conhecimentos com os alunos de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas (Tads) e também do curso de Engenharia de Computação. Entre eles, estava o egresso da Católica Davi Alvarenga, de 23 anos, que atualmente trabalha como desenvolvedor na empresa Digix, voltada para criação de softwares utilizados na gestão pública.

Segundo Davi, o modelo de discussão adotado pelo evento foi bem interessante, principalmente, para promover a interação entre os participantes e permitir o networking. “Para quem está no começo da vida profissional, como é o caso dos acadêmicos, é importante ter contato com quem está no mercado, ainda mais para tentar garantir uma vaga. Achei legal a Universidade ter essa preocupação e permitir esse encontro”, comentou Davi.

Foi a partir do diálogo com os profissionais durante o evento que o acadêmico Carlos Eduardo Ilgenfritz, de 19 anos, conseguiu um estágio na startup AgroInteli — desenvolvedora softwares de monitoramento agrícola. O primeiro contato de Carlos com um dos responsáveis pela empresa foi na segunda edição do Encontro Tecnológico, realizada no ano passado e, hoje em dia, ele atua como programador há sete meses.

“Durante o fishbowl, em 2018, um dos professores me apresentou o Renato Borges que hoje é o meu chefe. Em seguida, eu entrei em um programa de férias proposto pela startup e acabei sendo contratado como estagiário. Me preparei bastante para isso, os docentes me mostraram as linguagens de programação mais atuais que são priorizadas por esse tipo de empresa e eu acabei conquistando vaga”, comemorou Carlos Eduardo.

Mais informações sobre o III Encontro Tecnológico podem ser obtidas por meio da coordenação do curso de Tads, basta ligar no número (67) 3312-3407.

MAIS NOTÍCIAS