NOTÍCIAS

Projeto da UCDB é contemplado com recursos do governo do Estado

19 de Novembro de 2021 10:56

A Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), por meio do Centro de Pesquisas Indigenistas (CAPI), foi contemplada com R$ 46,6 mil do Fundo Estadual de Defesa e Reparação de Direitos Difusos e Lesados, do governo estadual de Mato Grosso do Sul, para executar projeto "Ja’e", que visa realizar o levantamento de elementos tradicionais da cultura material e imaterial dos Povos Kaiowá e Guarani.

“A nova seleção do projeto Ja’e nos possibilita focar ainda mais na produção de conteúdo junto à comunidade, e, por conseguinte, ampliar a capilaridade do projeto nas disciplinas da escola e com a participação maior dos acadêmicos na produção, em um processo ainda mais colaborativo”, destaca o professor Dr. José Francisco Sarmento.

O Núcleo de Estudos e Pesquisas das Populações Indígenas da Universidade Católica Dom Bosco, mais uma vez inova na elaboração de projetos, dialogando com as realidades e necessidades de cada lugar, elaborando as proposições sempre em parceria com a comunidade, de forma colaborativa sempre.“O projeto anterior focou mais na criação de ferramentas que pudessem ser utilizadas na sistematização e disponibilização dos conhecimentos tradicionais indígenas, e a importância do projeto atual é que ele permite dar continuidade às ações, agora, focado no aperfeiçoamento desta ferramenta e ampliação do banco de informações junto com os professores indígenas para utilização nas atividades escolares”, reforça o professor Dr. Leandro Skowronski. 

“Esse ano foram 57 bons projetos inscritos no edital do Funles, 13 deles foram qualificados. A gente está em busca de fortalecer o Fundo. Quanto mais recursos forem destinados pelo judiciário e pelo Ministério Público, mais entidades serão contempladas e teremos um terceiro setor mais ativo", destacou o governador Reinaldo Azambuja. 

O Funles foi criado em 1996 para ressarcir a sociedade por danos causados ao meio ambiente e aos bens e direitos de valor artístico, histórico, estético, turístico e paisagístico, além do patrimônio público e de outros interesses difusos e coletivos. O investimento de todos os projetos soma R$ 1,6 milhão. As instituições devem prestar contas de todo valor recebido. O prazo de vigência dos convênios é de 12 meses. 

MAIS NOTÍCIAS