NOTÍCIAS

UCDB premia melhores trabalhos desenvolvidos pela iniciação científica no ciclo 2017-2018

01 de Março de 2019 07:00

Na tarde desta quinta-feira (28), o anfiteatro do bloco C, no campus Tamandaré, foi palco para a premiação dos melhores trabalhos desenvolvidos pelos acadêmicos da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) que integraram a iniciação científica no ciclo 2017-2018. O reconhecimento veio para seis pesquisas destaques inclusas em diferentes áreas do conhecimento.

Dos integrantes do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC), o trabalho de Krisley Amorim de Araújo, orientado pela professora Dra. Luciane Pinho de Almeida, foi o mais bem avaliado, não só na área de “Ciências Sociais Aplicadas e Jurídicas”, mas também nas outras. A pesquisa foi classificada em primeiro lugar em relação à todas que concorreram, o que fez da egressa do curso de Psicologia a ganhadora de uma bolsa para cursar o mestrado na Católica.

“Fiquei muito feliz! Foi a realização de um sonho, pois ingressei na iniciação científica com o intuito de seguir carreira e agora posso começar mais uma jornada no Programa de Pós-Graduação em Psicologia”, comemorou Krisley. Segundo a pesquisadora, o intuito é dar continuidade ao trabalho desenvolvido enquanto bolsista do Pibic — foram quatro anos voltados para o estudo das migrações contemporâneas, sendo o último artigo, com foco nas mulheres haitianas que vieram para Campo Grande tentar uma vida melhor.

Além de Krisley, outros quatro acadêmicos foram premiados por meio do Pibic. Na área de “Ciências Exatas e da Terra”, destacou-se o pesquisador Rodrigo Antônio Miranda, orientado pelo professor Dr. Marco Hiroshi Naka. Já em “Ciências Humanas”, o trabalho de Suellen Alencar Rufino, desenvolvido sob orientação da docente Dr. Maria Augusta de Castilho, ficou em primeiro lugar. A pesquisadora Tamara Nicoletti da Mata fez a melhor pesquisa na área de “Ciências Biológicas e da Saúde”, com a orientação da professora Me. Lizandra Alvares Félix Barros e, por fim, Odaias Pereira de Almeida Filho, orientado pelo professor Dr. Ludovico Migliolo, destacou-se na área de “Ciências Agrárias”.

“Quando eu vi o resultado, fiquei muito contente! É bom ser reconhecido, porque o Pibic exige muita dedicação. Precisamos ficar mais tempo na Universidade, estudar em casa, fazer os relatórios, participar de congressos, então é um esforço grande para que a gente consiga aprender e transformar isso em algo bom para sociedade. A gente não faz ciência para ficar na academia, mas para transformar a vida das pessoas”, comentou Odaias — acadêmico de Biomedicina que identificou no veneno de uma serpente uma molécula com potencial para ser transformada em um fármaco.

A melhor pesquisa desenvolvida por meio do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (Pibiti) também foi premiada. Sob orientação do professor Dr. Fernando Jorge Correa Magalhães Filho, o acadêmico Alexandre Arruda Atalla desenvolveu o estudo reconhecido.

Segundo a coordenadora de pesquisa da Católica, Carina Elisei, aproximadamente 400 acadêmicos participaram da seleção e percebeu-se uma evolução no conteúdo apresentado. “É notável o aumento não só no número de pesquisadores inseridos na iniciação científica, Pibic/Pibiti, mas também na qualidade dos trabalhos trazidos por eles, o que é muito positivo”, pontuou Carina. Durante a entrega dos prêmios, o presidente do Comitê Científico, Dr. José de Campos Maciel, também ressaltou o bom desempenho dos alunos: “A gente fica feliz de ver trabalhos feitos com cada vez mais capricho e é uma alegria reconhece-los”.

Primeira reunião Pibic/Pibit 2019

Na data, junto com a premiação, foi promovida a primeira reunião com os 476 pesquisadores da Católica que integram o ciclo 2018-2019 do Pibic e Pibiti. Além de receberem avisos e orientações em relação à prazos, os acadêmicos participaram de uma palestra ministrada pelo professor Dr. Rodrigo Lopes Miranda com o tema “E agora José? Metodologia de trabalho de Iniciação Científica”.

MAIS NOTÍCIAS